E-book “Intelectuais, política e conflitos sociais” – gratuito para baixar / Free e-book: “Intellectuals, politics and social conflicts”

Image credits: Detail of the book cover. Cover art: Aline C. Rudnik Azevedo. Cover picture: durantelallera / Shutterstock.com.


Prezados leitores, hoje trago um lançamento de livro para vocês. É um e-book gratuito, e todos interessados podem baixar gratuitamente em seu dispositivo e ler. Como viram no título, trata-se do livro “Intelectuais, política e conflitos sociais”, organizado por David Maciel, Pedro Leão da Costa Neto e Rodrigo Jurucê Mattos Gonçalves. Em breve, teremos novos lançamentos de livros aqui no blog.

Continuar lendo E-book “Intelectuais, política e conflitos sociais” – gratuito para baixar / Free e-book: “Intellectuals, politics and social conflicts”

A questão da ideologia – Parte 2 / The question of ideology – Part 2

Image credits: Karl Marx and Friedrich Engels. Marx-Engels Portraits, on marxists.org.

Olá gente. Hoje vou falar um pouco mais – mas não tudo o que pode ser dito – sobre a ideologia. Há muita confusão sobre o que significa esse conceito. Por um lado, existem inúmeras definições. Muitos pensadores já falaram da ideologia: Georg Lukács, Karl Mannheim, Max Horkheimer, Theodor Adorno, Herbert Marcuse, Walter Benjamin, Antonio Gramsci, Mikhail Bakhtin, Louis Althusser, Lucién Golmann, Jürgen Habermas, entre outros, e, no Brasil, recomendamos o filósofo Leandro Konder, que fez um grande levantamento das diferentes concepções do conceito de ideologia, no livro “A questão da ideologia”. Eu abordo a questão da ideologia no meu livro “A restauração conservadora da filosofia” – quando estiver pronto vou colocar o link aqui.

Por outro lado, tem havido muita confusão em torno desse conceito. No Brasil, a palavra tem sido usada de forma muitas vezes desqualificatória, ou seja, chama-se de “ideologia” a concepção política do outro, do adversário. O atual presidente brasileiro, venceu as eleições de 2018 dizendo que acabaria com as relações “ideológicas” do Brasil com determinados países, como a China. Mas a palavra ideologia quer dizer bem outra coisa. A forma vulgar como se usa o conceito distorce seu real sentido.

Continuar lendo A questão da ideologia – Parte 2 / The question of ideology – Part 2

Revolução e revolução passiva / Revolution and passive revolution

Vincenzo Cuoco (1770-1823) chamou a Revolução Napolitana de 1799 como “revolução passiva”. Essa “revolução” não contou com as massas populares – ficou centrada nos intelectuais -, ocorreu como consequência da Revolução Francesa e acabou derrotada. O conceito serviu a Antonio Gramsci para explicar os processos históricos de formação nacional que não passaram por uma revolução de tipo jacobino. English: Vincenzo Cuoco (1770-1823) called the 1799 Neapolitan Revolution as a “passive revolution”. This “revolution” did not count on the popular masses – it was centered on intellectuals -, it occurred as a consequence of the French Revolution and ended up defeated. The concept served Antonio Gramsci to explain the historical processes of national formation that did not undergo a jacobin type revolution. Image credits: Wikimedia Commons

A chamada “revolução passiva” é um conceito desenvolvido por Antonio Gramsci para analisar processos históricos de mudança nos quais não se pode dizer que houve uma revolução propriamente dita, ou seja, falamos de revolução passiva quando as mudanças ocorridas não transformam os fundamentos do sistema vigente ou até fortaleceram e reafirmaram seus fundamentos. Eu abordei a revolução passiva de forma em meu livro História Fetichista e em um artigo que você pode acessar.

O conceito de revolução passiva contribui para a interpretação de países que passaram por uma série de mudanças, algumas bastante profundas mas parciais, como o fim da escravidão no Brasil e a chamada “Revolução de 1930”, preservando a maior parte dos interesses das classes dominantes. Os escravizados libertaram-se da escravidão, mas foram alijados de um direito fundamental – o acesso à terra -, pois não tivemos reforma agrária. Outro exemplo é a mudança do eixo econômico brasileiro para o setor industrial, nos anos 1930, após 4 séculos de predominância dos setores agrário e extrativista. Também aqui foram preservados interesses das classes dominantes: a propriedade concentrou-se, o operariado recebia salários baixos, de subsistência, embora a exploração fosse crescente. Nos dois exemplos históricos, o aparelho de Estado conservou-se na mão das classes dominantes e o poder não foi tomado pelas classes dominadas.

Continuar lendo Revolução e revolução passiva / Revolution and passive revolution

O “intelectual orgânico” de Antonio Gramsci. Por que “orgânico”? / Antonio Gramsci’s “organic intellectual”. Why “organic”?

Image credits: illustration of Leopoldo Mendéz

Em nossos estudos sobre os intelectuais, uma ferramenta teórica muito útil tem sido o conceito de “intelectual orgânico” desenvolvido pelo italiano Antonio Gramsci. Com este conceito, temos conseguido problematizar a função específica dos intelectuais na sociedade capitalista contemporânea. Trabalhei com esse conceito em diversos artigos que publiquei e nos meus livros.

Todos os homens são filósofos, diria Gramsci, no sentido de que todos os seres humanos, ao longo da história, meditam, pensam sobre a sua vida, a sua realidade. Então, todos os homens são, de alguma maneira, “intelectuais”. Todavia, quando falamos de intelectuais na sociedade em que vivemos, a capitalista, estamos nos referindo àqueles que se dedicam exclusivamente às atividades culturais, na produção do consenso, e que não exercem trabalhos manuais.

Continuar lendo O “intelectual orgânico” de Antonio Gramsci. Por que “orgânico”? / Antonio Gramsci’s “organic intellectual”. Why “organic”?

História das ideias e dos intelectuais. O que é isso? [A questão da ideologia – Parte 1] / History of ideas and intellectuals. What is it? [The question of ideology – Part 1]

Bem, a pergunta acima certamente não poderá ser inteiramente respondida nessa postagem. Vamos precisar de mais, pois o assunto é complexo. Mas já podemos ir aos poucos respondendo – nessa e em postagens futuras – essa questão a partir do que autores fundamentais dizem sobre o tema.

Nesta postagem vou falar um pouco do que Karl Marx e Friedrich Engels disseram sobre o conceito de ideologia na obra “A ideologia alemã”. “Ideologia” é um conceito fundamental para compreender a questão das ideias e dos intelectuais. Abordei isso de forma detalhada no meu livro “História Fetichista”. O e-book está disponível para compra na Amazon.

Continuar lendo História das ideias e dos intelectuais. O que é isso? [A questão da ideologia – Parte 1] / History of ideas and intellectuals. What is it? [The question of ideology – Part 1]